|•| Devemos administrar fielmente, o que Deus nos confiou |•| João Calvino

┘•┌ NOTA DE ESCLARECIMENTO

Estimados Conselhos e pastores:

Fazemos lembrar que diante de Herodes Jesus manteve-se em silêncio, ainda que “de muitos modos o interrogava” (Lc. 23.9). Isso nos conduz a considerar que jamais convém à liberdade de expressão configurar como importunação, obrigação ou coerção. Contudo, servimo-nos dela como dever, para assegurar às igrejas jurisdicionadas à assistência da voz presbiterial, que ecoa como grito para espantar os lobos ou como canção para alentar seus corações, desde 07 de janeiro de 1977.

Recentemente, ficamos imensamente comovidos, quando um dos nossos membros e presidente desta organização religiosa, o reverendo Milton Ribeiro, teve sua prisão preventiva decretada e executada, sob alegação de autoria de crimes cometidos na gestão do Ministério da Educação e Cultura do Brasil (MEC), para a qual foi nomeado ministro, pelo excelentíssimo senhor presidente da República Federativa do Brasil, Jair Messias Bolsonaro, em data de 10 de julho de 2020.

Esse Concílio dispõe de dispositivo para aplicar penalidade aos membros faltosos, de conformidade com a Constituição da Igreja Presbiteriana do Brasil (CI/IPB) e seu Código de Disciplina (CD/IPB), desde que ocorra uma sentença eclesiástica. No entanto, a prisão preventiva do reverendo Milton Ribeiro, não possui elementos que justifique a abertura de processo regular com vista à sentença eclesiástica, pois não possui caráter condenatório, haja visto a ausência de julgamento do processo e sentença pronunciada.

Sob o condicionamento dessa situação, o PRST vê-se apenas em condição de emitir juízo sobre a seriedade, competência e caráter moral do reverendo Milton Ribeiro: que recebeu educação cristã em uma de nossas igrejas e por ela foi encaminhado ao Presbitério, como aspirante ao sagrado ministério; que concluída sua candidatura, foi licenciado e ordenado ao ministério; que exerce seu pastorado na mesma igreja, onde é reeleito, democraticamente, desde 1994; que possui a postura de homem de família, dada a sua educação sob o cuidado de uma professora e servidora pública e de um homem de bem e trabalhador; que também se tornou construtor, com cuidado e respeito, de uma família, como seguindo um legado, ao lado de sua esposa, com quem providenciou as suas duas filhas as devidas oportunidades de afeto, educação e futuro; que semanalmente visita sua mãe, professora aposentada e idosa, com providência de mantimento e, muitas vezes, fazendo a refeição dela; e que, desde 1994, reeleito anualmente, tem presidido o PRST, oportunizando que sua capacidade administrativa se tornasse um inegável fator de implantação de igrejas e de boa condução do Concílio, devido a sua coerência, honestidade e humanidade.

Não nos compete sentenciar. Havendo acolhimento de denúncia, oportunidade ao direito de defesa e nulidade da apelação, o julgamento deste Concílio, na função de tribunal, emitirá a devida sentença a qualquer faltoso. A presunção e a suspeita não exercem influência no tribunal, onde a justiça é amiga da inocência. O juiz, o promotor, o advogado e os elementos documentais que validam a denúncia não se chamam “presunção” ou “suspeita”. Se assim fosse, a tirania do preconceito e da discriminação estaria sentada na cátedra dos tribunais. E o inocente veria sua honra à mercê dos ditames do bel-prazer ou da ludicidade do bem-me-quer ou malmequer, em uma flor sem defesa.

Assim posto, temos plena certeza e esperança de que as provas do processo se apresentarão, na devida instância, favoráveis à inocência do reverendo Milton Ribeiro, como também oportunizará que noticiemos que seu serviço na gestão do MEC contribuiu significativamente para a promoção da educação da Nação.

Cumpre-nos, finalmente, orientar aos Conselhos das igrejas jurisdicionadas ao PRST e aos pastores membros desse Concílio, que mantenham a ordem e o respeito entre a membresia e usem de bom-senso e de cordialidade no trato dessa questão, convictos de que Deus fará, como expressou o salmista, a “graça e a verdade” se encontrarem, e a “justiça e a paz” se beijarem (Sl. 85.10). Nessa condição, não se terá o inocente por culpado, nem o delituoso sem dolo. E nem ocasião à perturbação e à contenta para que tumultuem a comunhão cristã.

Que Deus nos ajude e nos livre do mal, encaminhe o reverendo Milton Ribeiro e a sua família à tranquilidade e mantenha os líderes e membros de nossas igrejas vigilantes do bem e da bondade.

Santos/SP, 26 de junho de 2022.

Comissão Executiva do Presbitério de Santos – CE/PRST

Postagens mais visitadas